Estamos vivendo tempos de grandes mudanças no mercado de dispositivos móveis. As empresas especializadas no desenvolvimento destas tecnologias estao travando uma verdadeira guerra tecnologica, cujo objetivo, é o reconhecimento de seus produtos como a melhor ferramenta existente no mercado.
Foi o que fez Steve Jobs em junho de 2007 quando lançou o iPhone OS ele não só saiu na frente da concorrencia como também viu o seu produto se tornar objeto de desejo de muita gente. O que Jobs não esperava era uma resposta tão rápida eficaz da concorrencia, já que em outubro de 2008, a Google anunciou no mercado o lançamento do Android, um novo sistema operacional que se baseia em Linux e já está em sua quarta atualização. Curiosamente, as versões do Android têm nomes de doces e seguem uma ordem alfabética: Cupcake (1.5 – Bolinho), Donut (1.6 – Rosquinha), Eclair (2.1 – Bomba), Froyo (2.2 – Frozen Yogurt) e Gingerbread (Pão de Mel).

Em recente pesquisa realizada pela AdMob (empresa especializada em publicidade para dispositivos móveis), pode-se perceber o crescimento mês a mês da plataforma Google no mercado americano dos smartphones. E surpreendentemente o sistema vem ganhando espaço frente aos principais sistemas operacionais,  o tráfego gerado por Android ultrapassar o iPhone em tráfego de dados, batendo números que pareciam inalcançáveis. Como podemos acompanhar no gráfico abaixo:

Viradas semelhantes já aconteceram e muitos antenados no assunto chegaram a prever esse rápido crescimento do Android, que é distribuído livremente às dezenas de fabricantes pelo mundo, frente à hegemonia da Apple e do poderoso iPhone.

Há pouco menos de duas décadas, a Apple apostava no Macintosh como sinônimo de computadores pessoais, vendendo hardware fechado com seu sistema operacional. Isso lhe garantiu a liderança no mercado por um bom tempo, até a chegada dos PC’S da IBM e outros fabricantes com hardwares independentes do sistema operacional. Essa concorrência gerada por fabricantes que produzem especificações abertas acaba garantindo uma rápida evolução tecnológica e uma tendência à queda de preços.
Steve Jobs continua trabalhando no mesmo sistema de mercado com o iPhone, vivendo a bonança da melhor fase das vendas do seu inovador aparelho. Porém, como a história nos mostra, parecia uma questão de tempo para que o sistema operacional da Google crescesse, popularizando os smartphones com acesso a web e fortalecendo os outros serviços oferecidos pela empresa, que também são disponíveis nos aparelhos, como o Gmail, Gtalk e Google Docs.

O mais importante deste cenário é pensar nos desdobramentos que esta guerra trará para as empresas que desenvolvem aplicativos para esses dispositivos e no processo de adaptação diante de tantas mudanças. Um ponto que merece atenção é que o público tem aumentado não apenas em número, mas em diversidade, pois existem smartphones a partir de R$ 300,00 (trezentos reais). Com isso, hoje eles estão nas mãos de estudantes, profissionais liberais e comerciantes, deixando de ser artigo de luxo na mão de empresários cujo objetivo principal era sincronizar o Outlook. As necessidades de cada um desses nichos de mercado são extremamente distintas e abrem diferentes oportunidades de mercado. Resta saber quem saberá aproveitar melhor cada uma dessas oportunidades.